principal
   artigos
   technik
   encontros
   eventos
   propagandas
   loja virtual
   fórum
   contato
   equipe
   parcerias



 

 


vai para a página inicial da volkspage
 
 

VW do Brasil chega aos 55 anos como a maior montadora do País

Texto: Press-Release VWB
Imagens: Divulgação VWB

Data: 24 de Março de 2008

 

A Volkswagen acaba de completar 55 anos no Brasil como a maior montadora no mercado nacional. Do Fusca ao Fox, a marca trilhou uma história de tradição e sucesso no País, que recebeu a primeira fábrica fora da Alemanha. Durante mais de meio século, acumulou recordes como mais de 17 milhões de veículos montados (entre carros de passeio, comerciais leves, caminhões e ônibus). No mercado interno, vendeu quase 15 milhões de veículos e exportou 2,3 milhões de unidades para mais de 50 países em todos o mundo. Em 2008, apresentará uma nova família de automóveis brasileiros. Atualmente, sua linha de produtos é a maior do mercado com 17 modelos nacionais e importados.

Esta renovação da linha, iniciada em 2002 com a chegada do Polo, teve seu ponto máximo em 2003, com o lançamento do modelo Fox. Brasileiro de “nascimento”, renovou a forma de criar e produzir carros. Um conceito inovador, desenvolvido ao redor do passageiro.

Com o aquecimento da demanda por vendas no mercado nacional em 2007, a Volkswagen já anunciou novas contratações e ampliação da capacidade produtiva, aumentando os turnos de trabalho em suas fábrica. Além disso, anunciou um investimento de R$ 123 milhões para ampliação da fábrica de motores, em São Carlos (SP). Até setembro deste ano, a capacidade produtiva passará de 1.800 para 2.700 motores por dia.

Com mais de 21 mil empregados, é a única fabricante de veículos que possui cinco fábricas em todo Brasil, sendo uma exclusiva para a produção de motores. Também está inserida em todos os segmentos do mercado, incluindo a operação de caminhões e ônibus. Segundo a publicação “Melhores e Maiores”, elaborado pela revista Exame, é a 5ª maior empresa do País e a 6ª que mais paga impostos.

 

Do Fusca ao Fox

A história da Volkswagen no Brasil começou em 23 de março de 1953, em um pequeno armazém alugado na Rua do Manifesto, no tradicional bairro do Ipiranga, em São Paulo. Nascia ali, a Volkswagen do Brasil Ltda. De lá, saíram os primeiros Fuscas (na época ainda chamados de Volkswagen Sedan), montados com peças importadas da Alemanha e com uma força de trabalho formada por apenas 12 empregados. De 1953 a 1957, foram montados nesse galpão 2.820 veículos (2.268 Volkswagen Sedan 1.200cc e 552 Kombi).

Em junho de 1956, o governo brasileiro proporcionou condições favoráveis para a instalação da indústria automobilística no País, fixando as bases estruturais para o rápido desenvolvimento do setor. Imediatamente, a Volkswagen decidiu construir sua primeira fábrica em São Bernardo do Campo.

 

No ano seguinte, em 2 de setembro, saía da linha de montagem o primeiro modelo da marca fabricado inteiramente em território nacional: a Kombi, com 50% de suas peças e componentes produzidos no País. O primeiro Fusca (Sedan) montado aqui foi lançado em 3 de janeiro de 1959. Nesse mesmo ano, foram vendidas 8.406 unidades do modelo que, rapidamente, se tornaria um estrondoso sucesso de mercado, em uma época dominada pelos automóveis importados de grande porte. Até 1986, o Brasil produziu 3,1 milhões de unidades do lendário Fusca.

Em 18 de novembro de 1959, a Volkswagen inaugurou oficialmente a fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo, por onde circulou - a bordo de um Fusca conversível - o então Presidente da República, Juscelino Kubistcheck. Ele estava acompanhado pelo Governador de São Paulo, Carvalho Pinto, e os presidentes da Volkswagen da Alemanha, Heinrich Nordhoff, e do Brasil, Friedrich Schultz-Wenk. A imagem dos quatro dentro do Fusca conversível se tornou uma das fotos mais marcantes na história da montadora.

A empresa logo iniciou um profundo trabalho de desenvolvimento de fornecedores no País e, no final de 1961, o índice de nacionalização - tanto do Fusca como da Kombi - já atingia 95%.

Em 1962, a Volkswagen incrementou a produção local com o modelo Karmann-Ghia, um carro esportivo idêntico ao original alemão. Foi sucesso de vendas até 1975, quando saiu do mercado com a soma de 41.634 unidades vendidas. Em 1969, foi a vez da primeira station wagon da marca, a Variant, remodelada em 1977. Logo depois chegou o modelo TL, que ficou no mercado de 1970 a 1975.

Em julho de 1970, após atingir os primeiros recordes de produção e vendas, a marca chegava ao primeiro milhão de veículos. Em março de 1972, o Fusca alcançava o número histórico de um milhão de unidades vendidas. Em 1973, foi lançada a Brasília, enorme sucesso pela praticidade e amplo espaço interno. O modelo vendeu um milhão de unidades até 1981, quando saiu de linha.

O aprimoramento na produção de veículos adequados às condições geográficas e econômicas brasileiras, que atendessem às novas exigências e desejos do consumidor, levou a empresa a lançar o Passat em junho de 1974. Produzido até 1988, o carro de porte médio, com motor de quatro cilindros refrigerado a água e tração dianteira, era completamente diferente de tudo que existia até então. Os modelos da época se caracterizavam pelo motor e tração traseiros e refrigeração a ar.

O carro foi sucesso absoluto no Brasil e no exterior – principalmente no Iraque, para onde foram exportadas 170 mil unidades. Em 1975, a montadora completava 3 milhões de carros produzidos no Brasil e colocava no mercado o SP-1, sucesso junto ao público jovem devido ao desing esportivo e arrojado.

Para aliviar a produção da fábrica Anchieta, em 1976 a Volkswagen inaugurou a unidade de Taubaté, então responsável pelo fornecimento de peças estampadas, injetadas e de tapeçaria.

 

Gol supera recordes do Fusca

Em 1980, a Volkswagen iniciou a produção da chamada Família BX, composta pelo modelo hatch Gol, sedan Voyage, station wagon Parati e picape Saveiro. O Gol foi criado para cumprir uma missão quase impossível: substituir o “lendário” Fusca. Apesar de suas inúmeras qualidades, poucos acreditavam que ele pudesse se tornar o sucessor da antiga paixão nacional na preferência do consumidor brasileiro.

 

O Gol não só conseguiu, como acabou superando o Fusca. Hoje em sua quarta geração, continua batendo todos os recordes da história automotiva nacional: é o carro mais vendido no País pelo 21º ano consecutivo e é o best-seller da marca, superando 5 milhões de unidades produzidas.

 

Autolatina

O ano de 1987 foi marcado por uma forte queda do mercado automotivo. Visando reduzir os custos e melhor aproveitar os recursos disponíveis, a Volkswagen e a Ford uniram-se e criaram a Autolatina Brasil. Em sete anos, a Autolatina colocou no mercado vários carros híbridos, como Apolo, Quantum e Santana (lançado em 1984), da Volkswagen, e seus “gêmeos” Verona, Royale e Versailles, da Ford.

Em 1988, foi lançado o Gol GTI, primeiro carro nacional com injeção eletrônica de combustível e ignição digital com mapeamento eletrônico. Em 1993, a marca Volkswagen comemorava 10 milhões de veículos fabricados no País e relançava o Fusca, aproveitando vantagens fiscais oferecidas pelo governo federal (gestão Itamar Franco) para a produção de carros populares.

 

Com a abertura da economia brasileira, em 1994, e aquecimento das vendas internas, a indústria vivia um novo cenário. As duas marcas precisariam competir em todos os segmentos e, portanto, deveriam oferecer um portfólio de produtos individualizados e implantar estratégias comerciais independentes. Era o fim da Autolatina.

Dois anos após a separação, a Volkswagen investiu cerca de R$ 500 milhões na inauguração de duas fábricas no Brasil. Em 1996, a fábrica de motores em São Carlos (SP), abria as portas para, apenas alguns meses depois, ser ampliada e produzir novos motores para os modelos Golf e Audi A3. Em novembro do mesmo ano (1996), a fábrica de caminhões e ônibus, em Resende, estado do Rio de Janeiro, iniciava suas operações.

Em janeiro de 1999, com investimentos de R$ 1,2 bilhão, a empresa inaugurou a fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, onde uniu a produção do Golf e o Audi A3. Em outubro de 2006, o Audi A3 deixou de ser produzido no Brasil.

 

Caminhões e ônibus, novos desafios

Em 1980, com o parque automobilístico brasileiro consolidado, a Volkswagen decidiu entrar no mercado de caminhões. Em 1981, lançou a primeira linha de caminhões médios e leves, que abriu a porta do segmento de transporte pesado e permitiu um desenvolvimento da marca também nesse setor. Quinze anos depois (1996), a Volkswagen inaugurou uma nova fábrica em Resende, no Rio de Janeiro, onde foi implantado o inovador sistema de produção chamado Consórcio Modular. Os sete parceiros ficam lado a lado com a empresa na linha de montagem da fábrica. Atual líder deste mercado, a Volkswagen já produziu e vendeu mais de 430.000 caminhões e ônibus para o mercado doméstico e exportação nestes quase 30 anos de operação.

 

Novos recordes

Após inaugurar duas novas fábricas em um mesmo ano (1996), fato inédito na indústria automobilística brasileira, a Volkswagen iniciou uma fase de renovação de seu portfólio de produtos, incluindo o lançamento de modelos importados. Entre as novidades, o New Beetle, o Bora, o Passat e o Passat Variant.

Em 2002, é inaugurada a Nova Anchieta, uma moderna linha de produção dentro da primeira planta da Volkswagen no País. Com investimentos de R$ 2 bilhões, a nova fábrica permitiu o lançamento do Polo, mais recente plataforma mundial da marca.

Em 2003, quando a Volkswagen comemorou seu cinquentenário no Brasil, inova mais uma vez ao lançar no mercado nacional o Gol Total Flex, primeiro veículo brasileiro a utilizar tecnologia bicombustível, que possibilita o uso de gasolina, álcool ou a mistura dos dois em qualquer proporção. Considerada uma das maiores inovações da década, os modelos flexíveis invadiram o mercado. Hoje, cinco anos após o lançamento, a indústria vendeu mais de 5 milhões de veículos bicombustíveis. Deste total, 1,5 milhão de unidades pertence à marca Volkswagen.

 

Também em 2003, o lançamento do modelo Fox, desenvolvido e produzido no Brasil, mudou a forma de desenvolver carros. Com um conceito inovador, o carro trouxe soluções práticas de porta-objetos no seu interior. Além disso, a suspensão mais alta possibilita uma posição de dirigir elevada, um diferencial herdado das minivans e SUV’s.

 

Atualmente, o segmento de carros e comerciais leves da Volkswagen responde por cerca de 23% do mercado. É a marca com o maior mix de produtos, prontos para atender às mais variadas necessidades dos clientes. São 17 modelos no total, entre nacionais e importados.

Nacionais: Gol, Fox, CrossFox, Parati, Polo Hacth, Polo Sedan, Saveiro, Golf e Kombi.

Importados: SpaceFox (Argentina), New Beetle, Jetta, Jetta Variant e Bora (México), Touareg, Passat, Passat Variant (Alemanha)

 

Exportações – carreira internacional

As exportações da Volkswagen do Brasil começaram em 1970, quando enviou o primeiro lote ao exterior: 13 Variant e 8 Kombi para países da América do Sul e México. No ano seguinte, foram 1.039 veículos exportados, volume que, em 1972, saltou para 7.204 unidades vendidas para 44 países da América Latina, África e Ásia.

 

Até fevereiro de 2008, a montadora soma mais de 2 milhões de veículos exportados para mais de 50 países em todo o mundo. Líder nas exportações do setor, teve seu maior volume em 2005, quando atingiu cerca de 260 mil unidades enviadas a mercados externos. Atualmente, a desvalorização do dólar frente ao real tem prejudicado as exportações e a competitividade no mercado global. Em 2007, a montadora totalizou 180 mil unidades e este ano não deve chegar às 200 mil.

 

Em sua história, a Volkswagen contabiliza dois grandes contratos de exportação. De 1987 a 1993, enviou 200 mil unidades do Fox (Voyage) para os EUA e Canadá. Entre 1983 e 1988, exportou 170 mil veículos Passat para o Iraque.

 

Dos 12 aos 21 mil colaboradores

Nestes 55 anos de Brasil, a Volkswagen foi pioneira nos avanços das relações trabalhistas. Possibilitou a criação de uma comissão de representantes dos trabalhadores em suas fábricas para discutir ações de melhorias, processos de restruturação entre outros.

Desde o início da sua história, sempre investiu na educação e qualificação dos seus empregados. Só em 2008, cerca de R$ 8 milhões foram destinados à educação corporativa, bolsas de estudos e cursos complementares. A tradição da marca Volkswagen é garantir a melhoria da competência profissional dos empregados, principalmente por meio de convênios com as principais universidades do País.

Além disso, a montadora orgulha-se da pioneira parceria com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), que já formou cerca de 5 mil jovens nos mais de 30 anos de convênio.

 

Plano de Saúde Volkswagen

Operando no sistema de autogestão, modelo no mercado nacional, o Plano de Assistência Médica da Volkswagen beneficia mais de 70 mil pessoas por ano, entre empregados, dependentes, agregados e aposentados. O Plano de Saúde oferece cobertura completa para exames, cirurgias e internações, incluindo os planos de assistência domiciliar. O Home Care, destinado a pacientes portadores de doenças crônicas; o Aids Care, para portadores do vírus HIV; e o Baby Care, para orientar os pais nos primeiros dias de vida do bebê.

A empresa também proporciona aos empregados e seus beneficiários o Programa Contra a Dependência Química. Com 36 anos de existência, o programa já é referência no tratamento e prevenção contra alcoolismo e demais dependências químicas.

 

Fundação Volkswagen, semeando educação

A Volkswagen não é só especialista em produzir veículos avançados e oferecer serviços de qualidade. Seu compromisso com o País vai muito além e resultou em ações para melhorar o acesso à Educação nas comunidades onde atua. Foi com esta filosofia que a Fundação Volkswagen nasceu.

Idealizada e lançada em 1979 pela matriz alemã com o objetivo inicial de aumentar o nível de escolaridade dos empregados da montadora, a Fundação Volkswagen se ampliou suas atividades ao longo dos anos. Hoje, concentra seus investimentos em programas de melhoria da qualidade da educação no País, que já beneficiaram mais de 700 mil pessoas.

 

55 curiosidades sobre a Volkswagen do Brasil

1- Maior fabricante de veículos do País, com mais de 17 milhões de unidades montadas em 55 anos de história
2- Anchieta, a primeira fábrica da Volkswagen fora da Alemanha
3- Maior linha de produtos do mercado nacional (17 modelos entre nacionais e importados)
4- Maior faturamento do setor: R$ 21,2 bilhões em 2007
5- Terceira maior operação do Grupo (1ª é China e 2ª Alemanha)
6-Única montadora a operar no País com cinco fábricas, sendo uma exclusiva para produção de motores
7- Maior rede de concessionárias do País: 736 revendas
8- Maior centro de distribuição de Peças e Acessórios da América Latina (Volkswagen Parts & Acessories Center), inaugurado em 2004, em Vinhedo (SP)
9- Atual líder nas exportações de veículos: 182 mil veículos em 2007
10- É a 5ª maior empresa exportadora do País, já superou 2 milhões de unidades enviadas à 50 mercados em toda sua história
11- A marca Volkswagen é a mais lembrada (Top of Mind) pelo 17º ano consecutivo
12- Gol é o carro mais vendido do País há 21 anos consecutivos
13- Produção do Gol (5 milhões de 1980 a 2007) superou o recorde histórico do Fusca (3,1 milhões)
14- Gol, primeiro carro brasileiro recordista mundial em provas de Endurance, de 5 mil, 10 mil e 25 mil km, homologadas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), em 2003.
15- Primeira montadora brasileira a lançar no mercado um veículo bicombustível (Gol 1.6 L Total Flex, em 2003)
16- Primeira montadora a lançar um veículo 1.0 L Total Flex (Fox, em 2003)
17- Primeira marca a popularizar o acesso à tecnologia bicombustível, com o lançamento da versão Gol City 1.0 Total Flex (em 2005).
18- Em cinco anos, recebeu cerca de 100 grupos estrangeiros para conhecer a tecnologia Total Flex
19- Primeira montadora do País a utilizar freios ABS (1992)
20- Pioneira na utilização de injeção eletrônica de combustível (Gol GTi, em 1988)
21- Primeira a lançar uma station wagon com motorização 1.0 (Parati, em 1997)
22- Pioneira no lançamento de motor 1.0 16 válvulas (1997)
23- Primeira montadora brasileira a ter um centro de desenvolvimento, pesquisa e design
24- Primeira montadora a ter um centro técnico de “crash-tests” no País, na década de 70
25- Primeira a lançar uma station wagon 4 portas (Quantum, em 1985)
26- O desenvolvimento do modelo mundial Polo, realizado na Alemanha, contou com a participação ativa de engenheiros e designers brasileiros
27- Primeira montadora a realizar o teste de odores para peças de acabamento interno do veículo, com padrão mundial (1998)
28- Primeira montadora a criar um novo conceito de desenvolvimento de veículos ao redor do passageiro, com o Fox
29- Primeira a implantar a simulação virtual na linha de produção do Polo (fábrica Anchieta)
30- Primeira no Brasil a utilizar prensas robotizadas para peças de estamparia
31- Primeira montadora do Brasil a emitir a nota fiscal eletrônica
32- Primeira do mundo a adotar o revolucionário sistema de produção Consórcio Modular, na fábrica de caminhões e ônibus em Resende (RJ)
33-Única montadora a ter uma ferramentaria própria com mais de 50 anos de atividades
34- Utiliza a fibra de curauá (planta da família do abacaxi) em peças de acabamento dos veículos
35- Primeira do Grupo Volkswagen, no mundo, a utilizar layout em formato de “Y”, integrando as áreas de produção e administração em um centro de comunicação, na fábrica de São José dos Pinhais (PR)
36- Pioneira na utilização de solda a laser na produção de veículos no Brasil
37- Primeira fábrica da América Latina a obter ISO 9002 (Taubaté, em 1993)
38- Primeira unidade do Grupo Volkswagen fora da Europa a conseguir a ISO 14001 (fábrica de motores em São Carlos)
39- Maior empregadora do setor: 21 mil empregados no Brasil
40- Primeira montadora a aderir às iniciativas para eliminar o trabalho infantil na cadeia produtiva do setor automobilístico, em 1996
41- Primeira a estabelecer um acordo histórico de flexibilização da jornada de trabalho, visando a preservação de empregos (1998)
42-Única montadora que mantém há 36 anos um programa de prevenção e tratamento da dependência química destinado aos empregados e seus familiares
43- Mantém um programa de incentivo à ideías de empregados, “Geração de Idéias”, que já trouxe uma economia de R$ 150 milhões em produtos e processos desde 2001
44- Primeira empresa brasileira a incluir um programa de atendimento domiciliar no plano de saúde dos empregados, o Home Care
45- Pioneira no lançamento de um programa de atendimento aos portadores HIV positivo – o Aids Care, premiado pela ONU
46- Mantém há 11 anos um programa inédito de atendimento domiciliar nos primeiros dias de vida do recém-nascido no plano de saúde dos empregados, o Baby Care
47- Nos últimos cinco anos, os projetos de Educação da Fundação Volkswagen já beneficiaram mais de 730 mil pessoas
48- Pioneira na parceria de mais de 30 anos com o Senai, para formação profissional de mais de 5 mil jovens
49- Primeira montadora a lançar, entre universitários, um concurso para novos talentos de design, cujo maior prêmio é um estágio no Estúdio de Design da Volkswagen do Brasil (completa 10 anos em 2008)
50- Em uma inciativa inédita, abriu as portas da fábrica Anchieta para a “Volkswagen Run”, primeira corrida de pedestrianismo dentro de uma fábrica de automóveis, em 2007
51- Kombi: primeiro veículo produzido pela marca no Brasil (1957), ganhou uma versão comemorativa dos 50 anos em 2007
52- Primeiro Fusca nacional foi produzido em 1959
53- Começou a exportar seus produtos em 1970: o primeiro embarque incluiu 13 Variants e 8 Kombis
54- Iniciou em 1973 a produção da Brasília, que vendeu 930.160 unidades nos nove anos em que esteve no mercado
55- Mantém o programa “Mobilidade com Volkswagen”, específico para atender a clientes portadores de deficiências físicas, desde 2002

 



© 1997-2018 - Todos os direitos reservados